Ad Sense

sábado, 5 de agosto de 2017

Temer afirma que Lava Jato terá 'rumo correto' com a saída de Rodrigo Janot

Em entrevista ao jornal 'O Estado de S. Paulo', presidente volta a acusar o atual procurador de agir politicamente 

- Segundo o presidente Michel Temer, as mudanças na Procuradoria Geral da República, que terá Raquel Dodge como nova titular a partir de setembro, na Polícia Federal e no Supremo Tribunal Federal, vão dar “o rumo correto à Lava Jato”. Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, o presidente voltou a atacar a denúncia de corrupção passiva oferecida por Rodrigo Janot, e o acusou de ter “atuação política”. Disse também que o diálogo prevalecerá sobre as retaliações, em referência aos deputados da base aliada que votaram a favor da sua investigação, na última quarta, e negou a negociação de emendas parlamentares para garantir sua vitória na votação da Câmara.

Apesar de não ter sido a primeira colocada da lista tríplice elaborada pelos procuradores, Raquel Dodge foi a escolhida de Michel Temer para ocupar a Procuradoria Geral da República a partir de setembro. Segundo o presidente, sua chegada, aliada a mudanças no STF e na PF, dará “o rumo correto à Lava Jato”. Temer também disse que nunca houve uma tentativa de destruição da força-tarefa. — O rumo certo é o cumprimento da lei. Rigorosamente o cumprimento da lei. Não há como descumprir a lei sob pena de criar instabilidade social — afirmou o presidente, em entrevista ao “O Estado de S. Paulo”.


Sobre os deputados que votaram a favor de sua investigação por corrupção passiva, Temer disse que é preciso diálogo, e negou uma possível retaliação aos infiéis, apesar da pressão do Centrão. Ele afirmou ainda acreditar que as pessoas que votaram contra o arquivamento da denúncia entregarão seus cargos no governo. Em relação ao racha interno PSDB, o presidente minimizou, e disse que o pacto do partido com a situação fiscal do país seria o suficiente para a votação da reforma da Previdência. Entretanto, ele admitiu ter ficado “decepcionado” com os tucanos.

Mais uma ver, Temer fez duras críticas à denúncia de corrupção passiva oferecida por Rodrigo Janot. A chamou de pífia e inepta, e disse que “envergonharia qualquer aluno de segundo ano faculdade de Direito”. Para o presidente, o atual procurador estaria agindo politicamente.

Na entrevista, Temer também afirmou não conhecer o doleiro Lucio Funaro, colocou possíveis mudanças na PF a cargo do Ministério da Justiça, e disse que, no dia da votação sobre sua investigação, não houve negociação de emendas parlamentares. Sua justificativa foi de que deputados estariam procurando o ministro Antônio Imbassahy, na plenária, para falar sobre as emendas.

Fonte: O Globo

 

Nenhum comentário: