Ad Sense

terça-feira, 27 de junho de 2017

Investidor se antecipa e reação no mercado financeiro é moderada

A queda da bolsa nesta terça-feira, em torno de 0,7%, indica que o investidor já havia se antecipado à denúncia contra o presidente Michel Temer. Corretores e gestores contam que os clientes reagiram sem sustos, diferentemente do que aconteceu em maio, após as revelações feitas por Joesley Batista. Desde então, a recomendação aos investidores segue a mesma: liquidez e cautela.

Um corretor conta que, logo cedo, recebeu ligações de estrangeiros. Eles queriam se preparar para possíveis choques em cotações, o que não aconteceu, por ora. A piora no preço dos ativos vem ocorrendo aos poucos. Os investidores de fora desconfiaram, mas acabaram se convencendo após a abertura tranquila dos mercados.

Os juros futuros seguiram a tendência recente e estão em alta. O dólar, que também já vinha subido nos últimos dias, se valoriza 0,8% e vale R$ 3,32; em meados de maio, antes da divulgação dos áudios, a cotação estava em torno de R$ 3,10. O corretor acredita que, sem reformas, o câmbio terminará o ano acima de R$ 3,60.

O governo está fragilizado. Diminuiu a confiança na aprovação da reforma da Previdência como ela está hoje. Com a incerteza, o país ficou “sem cenário”, diz um gestor. Falta clareza. Ele recomenda ao investidor manter a liquidez para ter dinheiro no bolso quando as cotações piorarem. Na visão dele, com a paralisia do governo esse movimento vai se agravar nos próximos meses. Isso talvez aconteça sem sobressaltos, como ocorre nesta terça-feira.

Fonte: Blog da Miriam Leitão  
 

Nenhum comentário: