Ad Sense

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Minha coluna na Folha: Temer, MPF, milícia, bando e a Ideologia do Complexo do Alemão

Forças de Estado e setores importantes das elites políticas solapam as bases da governança e depois reclamam da inação do... governo!

Passou a febre “Rodrigo Maia presidente”. Por enquanto ao menos. Se outro Rodrigo, o Janot, da Procuradoria Geral da Deposição de Michel Temer (é a quinta dimensão do Ministério Público da União), tiver a bala de prata que seus acólitos traficam pelos corredores, mas sem mostrar o bagulho, Temer será deposto. E o que virá depois é bem mais escuro do que supõem os selenitas.

A leitura de certa crônica política, que pretende se passar por análise, tem uma graça intelectualmente trágica porque não chega a síntese nenhuma, tornando-se mero bordado a ornar o nada. O horizonte desses cronistas é a Terra do Nunca, localizada em Lugar Nenhum. É estupefaciente que se possa apontar o dedo contra Temer, acusando-o de incapaz de conduzir as reformas, quando entes do Estadocomo o Ministério Público Federal e alguns togados no STF– e quadros relevantes das elites, incluindo setores da imprensa, atuam de forma deliberada para lhe tirar os instrumentos de governança.

Queriam o quê? Dada a força estrutural que tem o Congresso, não se põe a prêmio a cabeça de um presidente sem que se criem severas dificuldades para aprovar, por exemplo, uma reforma impopular e necessária como a da Previdência. Não há mágica. Ainda assim, em muitos aspectos, a agenda no Legislativo avançou como nunca.
Na turbulência, tolos passaram a alimentar a fantasia de que, com Maia, o reformismo avançaria com mais celeridade. É mesmo? Uma única pergunta faz o incauto descer do mundo da Lua: Maia seria ou não elegível em 2018? Qualquer resposta esfarela o futuro. Tanto o "sim" como o "não" significariam transformar a Presidência num balcão. E, acreditem, isso dependeria pouco do agora presidente da Câmara. Processos políticos são dotados de lógica interna. Ou seriam meras feitiçarias. 

(...)

Que saudade dos "bons tempos" em que Marilena Chaui fazia pastiche de "A Ideologia Alemã", de Marx, e torrava a nossa paciência com a ladainha de que o saber era um instrumento de dominação, rebaixando-o a mero "discurso competente", a ser combatido pela sociedade organizada... Dona Marilena, a exemplo de todo esquerdista perturbado, ainda via o potencial redentor do rebelde primitivo. 

Hoje, o verdadeiro porrete da opressão é a ignorância que se alastra nas redes sociais, ciosa da própria truculência, orgulhosa da própria burrice, satisfeita com a própria vulgaridade. À esquerda, ao centro e à direita.
*
UMA NOTA CURTA
Informei em meu blog que Deltan Dallagnol se fez procurador contra a letra da lei, a cavaleiro de uma liminar cujo mérito nunca foi julgado. Foi confirmado no cargo em razão do "fato consumado", repudiado pelo STF em matéria de concurso público. O rapaz ficou furioso e me acusou, que surpresa!, de ser inimigo da Lava Jato. 

No Facebook, Carlos Fernando, seu braço esquerdo, contestou meu artigo com argumentos tecnicamente irrespondíveis: chamou-me de velhaco, decadente e cachorro.
São estrelas do MPF. Estão acostumados a aterrorizar os políticos e tentam me intimidar. Comportam-se como chefes de milícia ou de bando. 

Marx está mesmo morto. Essa é "A Ideologia do Complexo do Alemão". 

Fonte: Coluna do Reinaldo Azevedo - Folha de S. Paulo 

Nenhum comentário: