Você é o Visitante nº, desde 22 setembro 2017

Ad Sense

domingo, 2 de julho de 2017

Um dia de trabalho para manter Temer

Querem levar o Brasil para o século XXI sem tirar o pé do cofre da primeira metade do XX

Poucas vezes um troca-troca da política esteve tão claro, envolvendo uma mercadoria perfeitamente quantificável. A ideia é tomar um dia de trabalho dos brasileiros para custear votos de deputados capazes de segurar Michel Temer no Planalto. Pelo projeto de reforma trabalhista, vai ao lixo o velho imposto sindical, instituído em 1937. 

Trata-se da tunga de um dia de salário dos trabalhadores formalizados, destinada a cevar a máquina da unicidade sindical na qual está incrustada uma casta de pelegos. A reforma aboliu o caráter de confisco dessa “contribuição”. Se o cidadão quiser contribuir para o sindicato passará a fazê-lo por livre vontade.  Graças a esse imposto há em Pindorama 11 mil sindicatos de empregados e patrões, todos aninhados junto às arcas da Viúva, de onde saem R$ 3,5 bilhões anuais.

Precisando de votos para se safar da deposição, o governo de Michel Temer namora a ideia de anestesiar o fim desse imposto, baixando uma Medida Provisória que adie sua extinção. Negocia escondido com as centrais sindicais. Seriam uns 30 votos.  Nesta manobra, a bancada do PSDB fica escalada para um triste papel. Os tucanos defendem a reforma trabalhista em nome da modernidade e dos diplomas universitários de seus mestres-banqueiros.

Primeiro eles defenderam limitações na farra das isenções tributárias para entidades que se dizem filantrópicas. Saíram de fininho. Chegaram a flertar com a ideia de mexer na caixa preta do Sistema S, [sistema S = SESC, SENAC, SESI, SENAI, CNA,  CNC, CNI, SENAR,  SENAT e outros penduricalhos inúteis que prestam algum serviço aos que precisam, mas, o grosso do que arrecadam é gasto com mordomias para diretores.] cuja mordida custa algo como cinco impostos sindicais. Medraram, porque ali mora o sindicalismo patronal.  Querem levar o Brasil para o século XXI sem tirar o pé do cofre da primeira metade do XX.

Mais uma oportunidade para se recordar os versos do poeta Cacaso:
“Ficou moderno o Brasil;
Ficou moderno o milagre;
A água já não vira vinho;
Vira direto vinagre”.


Fonte: Elio Gaspari - O Globo

Nenhum comentário: